Mudança de Planos

Ir em baixo

Mudança de Planos

Mensagem por Convidad em Ter Ago 02, 2011 7:07 pm

Título: Mudança de Planos
Gênero: Romance/Drama
Classificação: NC-17
Terminada: [ ] Sim [x] Não
Sinopse: Rose Hathaway tem a sua primeira noite com Adrian, porém pelo calor do momento e por estar querendo esquecer definitivamente Dimitri ela nem lembra de usar proteção. Muito menos Adrian. Agora eles terão que enfrentar as consequências daquela noite em suas vidas. ( Imagine se na 'cena' do Spirit Bound em que nada acontece porque estão sem camisinha, o que aconteceria se ela cedesse ao 'charme' de Adrian). É disso que a fic trata.

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Mudança de Planos

Mensagem por Convidad em Qua Ago 03, 2011 9:33 am

Capítulo 1 ( Contém uma parte do Spirit Bound adaptada)


As palavras de Dimitri não sumiam da minha mente. 'Eu desisti de você. O amor some, o meu sumiu'. Dimitri, o homem por quem fiz o impossível falou na minha cara que seu amor por mim tinha acabado, eu não queria acreditar naquilo, mas era a verdade, ele nem hesitou ao falar.
Eu voltei para o meu quarto o mais rápido que pude, sem nem notar as pessoas ao meu redor. Eu queria tanto me agarrar a esperança de que ele havia mentido, mas o seu rosto, não consegui enxergar nenhum expressão que o deixasse em contradição, tão frio. Eu não queria mais pensar naquilo, se o amor dele acabou o meu também poderia. Me deitei na cama e fiquei ali por horas. Mas depois sai pela Corte sem destino regressando ao meu quarto bem tarde. Pouco tempo depois escutei uma batida na porta, não tive a mínima vontade de ver quem era, mas como a pessoa continuava insistindo resolvi atender.

Era Adrian.

“Pequena dhampir,” ele disse com um sorriso pequeno e cansado. “Parece que você viu um fantasma.”
Não um fantasma, exatamente. Acredite em mim, eu sabia que era um fantasma quando eu o via. “Eu só... eu só não esperava ver você depois do que houve essa manhã...”
Ele entrou e sentou na minha cama, e eu fiquei feliz por ver que ele tinha se limpado desde que conversamos mais cedo. Ele usava roupas limpas, e seu cabelo havia voltado à sua perfeição usual. Eu ainda sentia o cheiro remanescente de cravo, mas depois do que eu o fiz passar, ele tinha direito aos seus vícios.
“Yeah, bem, eu não esperava aparecer também,” ele admitiu. “Mas você... bem... você me fez pensar em algo.”
Eu sentei ao lado dele, mantendo uma distância segura. “Nós?”
“Não. Lissa.”
“Oh.” Eu acusei Dimitri de ser egoista, mas aqui estava eu, naturalmente assumindo que o amor por mim podia ter trazido Adrian pra cá.
Os seus olhos verdes ficaram especulativos. “Eu fiquei pensando sobre o que você disse, sobre o pai dela. E você tem razão – razão sobre o negócio do jogo. Ele tinha o dinheiro para pagar qualquer dívida. Ele não teria que esconder. Então eu fui perguntar para minha mãe.”
“O que? Ninguém deveria saber disso –“
“Yeah, yeah, eu imaginei que sua informação seria secreta. Não se preocupe. Eu disse a ela que quando estávamos em Vegas, ouvimos umas pessoas falando sobre isso – sobre o pai de Lissa fazer depósitos secretos.”
“O que ela disse?”
“A mesma coisa que eu. Bem, na verdade, ela ficou brava comigo primeiro. Ela disse que Eric Dragomir era um bom homem e que eu não deveria espalhar rumores sobre os mortos. Ela sugeriu que talvez ele tivesse um problema com jogo, mas se fosse isso, as pessoas não deveriam se focar nisso, quando ele fez tantas outras coisas boas. Depois da Vigília dos Mortos, eu acho que ela estava com medo que eu cause mais brigas públicas.”
“Ela tem razão. Sobre Eric,” eu disse. Talvez alguém tivesse roubado aqueles registros como algum tipo de campanha de difamação. Eu admito, espalhar rumores sobre a reputação sobre os mortos era inútil, mas talvez alguém quisesse denegrir a reputação dos Dragomir e se livrar de qualquer chance da lei de voto ser mudada para Lissa? Eu estava prestes a dizer isso para Adrian quando fui interrompida por algo ainda mais chocante.
“Então meu pai nos ouviu, e disse tipo, ‘Ele provavelmente estava financiando alguma amante. Você tem razão – ele era um cara legal. Mas ele gostava de flertar. E ele gostava de madames’.” Adrian virou os olhos. “Essa é uma citação direta: ‘Ele gostava de madames.’ Meu pai é um idiota. Ele soa como alguém com duas vezes a sua idade.”
Eu agarrei o braço de Adrian sem perceber. “O que ele disse depois disso?”
Adrian deu de ombros, mas deixou minha mão onde estava. “Nada. Minha mãe se irritou e disse a mesma coisa para ele que tinha dito para mim, que era cruel espalhar histórias que ninguém poderia provar.”
“Você acha que é verdade? Você acha que o pai de Lissa tinha uma amante? Era para isso que ele estava pagando?”
“Não sei, pequena dhampir. Honestamente? Meu pai é o tipo de gente que se atraca em qualquer rumor que pode. Ou inventa um. Eu quero dizer, ele sabia que o pai de Lissa gostava de festejar. É fácil tirar conclusões disso. Provavelmente ele tinha algum segredo sujo. Diabos, todos temos. Talvez quem quer que tenha roubado aqueles arquivos queira explorar isso.”
Eu contei a ele minha teoria sobre isso ser usado contra Lissa. “Ou,” eu disse reconsiderando, “talvez alguém que a apóie tenha pego. Para que não vazasse.”
Adrian acenou. “De qualquer forma, eu não acho que Lissa esteja em perigo mortal.”
Ele começou a levantar, e eu o puxei de volta. “Adrian, espere... eu '' eu engoli. “Eu quero me desculpar. O jeito que tenho tratado você, o que eu estive fazendo... não foi justo com você. Sinto muito.”
Ele desviou seu olhar de mim, os olhos se focando no chão. “Você não pode impedir seus sentimentos.”
“O negócio é que... eu não sei como me sinto. E isso soa idiota, mas é verdade. Eu me importo com Dimitri. Foi idiota pensar que eu não fui afetada pela volta dele. Mas eu percebo agora...” O amor acaba. O meu acabou. “Eu bem, como eu disse... eu tenho que me curar dele. Mas eu me importo com você... eu acho que até te amo um pouco.” Isso ganhou um pequeno sorriso. “Eu quero tentar de novo. Eu realmente quero. Eu gosto de ter você na minha vida, mas eu pulei nas coisas muito cedo antes. Você não tem porque me querer depois do jeito que eu tenho te arrastado, mas se você quiser voltar, então eu quero também.”
Ele me estudou por um longo tempo, e minha respiração parou. Eu falei sério: ele tinha o direito de terminar as coisas entre nós... e ainda sim, a ideia disso me aterrorizava.
Finalmente, ele me puxou contra ele e deitou na cama. “Rose, eu tenho todo tipo de motivo para querer você. Eu não sou capaz de ficar longe de você desde que te vi no hotel de esqui.”
Eu me aproximei de Adrian na cama e pressionei minha cabeça contra seu peito.
“Podemos fazer isso funcionar. Eu sei que podemos. Se eu fizer besteira de novo, você pode ir embora.”
“Se apenas fosse tão fácil,” ele riu. “Você esquece: Eu tenho uma personalidade viciante. Sou viciado em você. De alguma forma, eu acho que você poderia fazer todo tipo de coisas ruins comigo, e eu ainda voltaria para você. Só seja honesta, ok? Me diga o que você está sentindo. Se você está sentindo algo por Dimitri que te confunde, me diga. Vamos dar um jeito.”
Eu queria dizer isso a ele – independentemente dos meus sentimentos – ele não tinha nada para se preocupar com Dimitri porque Dimitri tinha me rejeitado várias vezes. Eu podia correr atrás de Dimitri o quanto quisesse, e não faria bem nenhum. O amor acaba.
Aquelas palavras ainda doiam, e eu não conseguia suportar dar voz àquela dor. Mas enquanto Adrian me abraçava e eu pensava o quão compreensivo ele era com tudo isso, uma parte ferida de mim reconheceu que o oposto também era verdade: o amor cresce.
Eu tentaria com ele. Eu realmente tentaria.
Eu suspirei. “Você não deveria ser tão sábio. Você deveria ser superficial e irracional e... e...”
Ele me deu um beijo na testa. “E?”
“Mmm... ridículo.”
“Ridículo eu posso ser. E os outros... mas apenas em ocasiões especiais.”
Estávamos bem perto um do outro agora, e eu virei minha cabeça para estudar ele, sua alta estrutura óssea cabelo bagunçado que o deixavam tão bonito. Eu lembrei das palavras da mãe dele, que independentemente do que queríamos, ele e eu eventualmente iríamos nos separar. Talvez fosse assim que seria minha vida. Eu sempre perderia o homem que eu amava.
Eu o puxei contra mim, beijando sua boca com uma força que pegou até eu de surpresa. Se eu tinha aprendido algo sobre a vida e amor, era que eles são coisas tenuas que podem terminar a qualquer momento. Cuidado era essencial – mas não ao custo de desperdiçar sua vida. Eu decidi que não iria desperdiçar agora.
Minhas mãos já estavam tirando a camiseta de Adrian antes daquela ideia se formar totalmente. Ele não questionou ou hesitou em tirar minhas roupas em resposta. Ele podia ter momentos de profundidade e entendimento, mas ele ainda era... bem, Adrian. Adrian vivia sua vida no agora, fazendo as coisas que queria sem sequer pensar duas vezes. E ele me queria há muito tempo.
Ele também era muito bom nesse tipo de coisa, e por isso minhas roupas saíram mais rápidas que as dele. Os lábios dele eram quentes e ansiosos contra minha garganta, mas ele teve cuidado de nem uma vez deixar suas presas tocarem minha pele. Eu fui um pouco menos gentil, me surpreendendo quando eu afundei minhas unhas na pele nua das costas dele. Os lábios dele se moveram mais para baixo, tracejando a linha da minha clávicula enquanto ele tirava meu sutiã com uma mão.
Eu fiquei um pouco surpresa pela reação do meu corpo enquanto nós dois lutavamos para tirar a jeans do outro antes. Eu me convencia que eu nunca iria querer sexo de novo, depois de Dimitri, mas neste momento? Oh, eu queria. Talvez fosse alguma reação psicológica a rejeição de Dimitri. Talvez fosse o impulso de viver o momento. Talvez fosse amor por Adrian. Ou talvez fosse apenas luxúria.
O que quer que fosse, me deixou impotente sobre as mãos e boca dele, que pareciam feitas para explorar cada parte de mim. A única vez que ele parou foi quando todas as minhas roupas finalmente tinham sido tiradas e eu fiquei ali deitada nua com ele. Ele estava quase nu também, mas eu ainda não tinha chegado à suas cuecas ainda. (Elas eram de seda porque, honestamente, o que outra coisa Adrian usaria?). Ele segurou meu rosto com suas mãos, os olhos cheios de intensidade e desejo – e um pouco de confusão.
“O que é você, Rose Hathaway? Você é real? Você é um sonho dentro de um sonho. Eu temo que tocar você vai me fazer acordar. Você vai desaparecer.” Eu reconheci um pouco daquele ar peótico que às vezes ele tinha, o feitiço que me fazia perguntar se ele estava pegando um pouco daquela loucura induzida por espírito.
“Me toque e descubra,” eu disse, trazendo ele para mais perto de mim.
Ele não hesitou de novo. O resto da sua roupa saindo, e todo o meu corpo esquentou com a sensação da pele dele e com a forma que as mãos dele deslizavam por cima de mim. Minhas necessidades físicas estavam rapidamente ultrapassando qualquer razão e pensamento lógico. Não havia pensamentos, só nós, e a feroz urgência que nos aproximava. Era tudo uma necessidade ardente e desejo e sensações e –
“Oh, merda.”
Saiu como um murmúrio já que nós estávamos nos beijando e nossos lábios ansiosamente buscando um ao outro. Com reflexos de guardiã, eu mal consegui me afastar, assim que nossos quadris começaram a se unir. Perder a sensação dele foi chocante para mim, e mais pra ele. Ele foi atordoado, simplesmente encarando descrente enquanto eu me afastava ainda mais e finalmente consegui sentar.
“O que... qual o problema? Você mudou de ideia?”
“Precisamos de proteção primeiro,” eu disse. “Você tem camisinhas?”
Ele processou isso por alguns segundos e então suspirou. “Rose, só você escolheria esse instante para lembrar disso.”
Era um ponto justo. Meu timing foi uma droga. Ainda sim, era melhor do que lembrar depois. Apesar do desejo desenfreado do meu corpo – que acredite, ainda estava lá – eu de repente tive a vívida imagem da irmã de Dimitri, Karolina. Eu a conheci na Sibéria, e ela tinha um bebê com cerca de seis meses. O bebê era adorável, como bebês geralmente são, mas por Deus, ela dava tanto trabalho. Karolina trabalhava como garçonete, e assim que ela chegava em casa, sua atenção se dirigia ao bebê. E os bebês sempre precisam de algo: comida, troca de roupa, resgate de se engasgarem com pequenos objetos. A irmã dele Sonya, estava prestes a ter um bebê também, e do jeito que eu deixei as coisas com a irmã mais nova dele Viktoria, eu não ficaria surpresa se ela logo ficasse grávida. Uma coisa enorme que muda a vida de alguém, feita por um ato descuidado.
Então eu estava bem confiante de que não queria um bebê na minha vida no momento, não tão jovem. Com Dimitri eu não me preocupei, graças à infertilidade dhampir. Com Adrian? Era um problema, e embora doenças sejam raras entre ambas nossa raças, eu não era a primeira garota que Adrian já tivera. Ou a segunda. Ou a terceira...
“Então, você tem alguma?” eu perguntei impaciente. Só porque eu estava no modo responsável, não significava que eu queria menos sexo.
“Sim,” Adrian disse, sentando também. “No meu quarto.”
Nós nos encaramos. O quarto dele era muito longe, na sessão Moroi da Corte.
Ele se aproximou colocando seu braço ao meu redor e mordiscando minha orelha. “As chances de algo ruim acontecer são bem baixas.”
Eu fechei meus olhos e coloquei minha cabeça contra ele. Ele envolveu suas mãos ao redor do meu quadril e acariciou minha pele. “O que você é, um médico?” eu perguntei.
Ele riu suavemente, sua boca beijando um ponto logo atrás da minha orelha. “Não. Sou apenas alguém disposto a arriscar. Você não pode me dizer que não quer isso.”
Eu abri meus olhos e me afastei para que pudesse olhar diretamente para ele. Ele tinha razão. Eu queria isso. Muito, muito mesmo. E uma parte de mim – que era basicamente toda eu – queimava com luxúria, estava tentando me ganhar. As chances provavelmente eram baixas, certo? Não existia pessoas que tentavam uma eternidade ter filhos e não conseguiam? Meu desejo tinha um argumento ok, mas ele era tão quente o que não contribuia nem um pouco para a situação, deixei a responsabilidade de lado e respondi:
' Como posso resistir a você. Espero que não me arrependa'. Disse sorrindo para ele.
' Você não irá ' . Então eu senti o seu corpo colado ao meu, os seus beijos me deixando sem fôlego. Como ele era incrível.
Agora que estavamos sem roupas o momento havia chegado, ele estava em cima de mim e eu estava ficando maluca, ele era perfeito, carinhoso e ao mesmo tempo tão gostoso, era realmente impossível resistir. Ele começou a afastar as minhas pernas vagarosamente, parecia até que estava de pirraça, antes que o pudesse sentir em mim ele falou baixinho mordiscando minha orelha. ' Eu te amo pequena damphir '. Eu não tive a oportunidade de responder o prazer me tomou por completa quando o senti penetrar e pouco depois atingimos o ápice juntos. Foi incrível. Adormecemos juntos enquanto ele alisava meus cabelos e assim terminava a minha noite inesquecível.




Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Mudança de Planos

Mensagem por Convidad em Dom Ago 21, 2011 5:07 pm

Pretendo continuar, então por favor quem gostou da idéia, comenta... n custa nd Wink

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Mudança de Planos

Mensagem por Convidad em Sab Mar 17, 2012 11:48 pm

Cade o resto da historia??

Eu quero saber o que vai acontecer então .. PELO AMOR DE DEUS POSTO LOGOOOOO .. RS'


AMEI SUA FIC I love you

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Mudança de Planos

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum